terça, 23 de julho, 2019

60 militares da Venezuela pediram asilo na Colômbia

 
Mais de 60 militares e da guarde venezuelanos pediram refúgio na Colômbia e no Brasil neste sábado (23.fev.2018), diz o Ministério das Relações Exteriores colombiano em comunicado oficial.
De acordo com balanço do governo, 285 pessoas ficaram feridas nos confrontos na fronteira entre os 2 países e 37 foram hospitalizadas. Dos feridos, 255 são venezuelanos e 30, colombianos.
Dos 4 caminhões que tentaram passar de Cúcuta (Colômbia) para Urenã (Venezuela), apenas 1 segue no território venezuelano. Dois foram incendiados e 1 retornou para a Colômbia.
O presidente Nicolás Maduro fechou as fronteiras com Brasil e Colômbia na 6ª feira (22.fev.2019). Para ele, o envio de doações é uma interferência externa na política e soberania da Venezuela.
Neste sábado, Maduro afirmou que os Estados Unidos são imperialistas e que enviam ao país comida “podre e cancerígena que sobrou do Exército”.
Fortes confrontos estão ocorrendo nas fronteiras entre Venezuela, Brasil e Colômbia para tentar conter a entrada da ajuda humanitária.
Guaidó pede “cartas na mesa”
O presidente autodeclarado da Venezuela, Juan Guaidó, que coordena a ação de chegada de suprimentos à Venezuela em diversos locais da fronteira, pediu em pronunciamento que a comunidade internacional “mantenha todas as cartas sobre a mesa” no que se refere à crise no país.
Anunciou também que irá reunir-se na 2ª feira (25.fev) com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, em Bogotá (Colômbia), durante encontro do Grupo de Lima.